Essas palavras estão fluindo justamente no momento emocionante, não menos dramático, em que o primeiro mineiro do desabamento da mina chilena, no inóspito deserto do Atacama, é resgatado com sucesso. Na iminência do salvamento do mineiro Florencio Ávalos, minha mente divaga até uma história que passou para o patrimônio da imaginação humana, o mito da caverna, escrito por Platão. Obviamente, não tem quase nada a ver com a fatalidade ocorrida no Chile que envolveu 33 mineiros, vítimas de um desabamento que impediu a saída destas pessoas e os forçou a conviver em situações adversas por mais de dois meses no interior de uma mina com uma profundidade de 622 metros.
No entanto, o que me fez lembrar do mito da caverna foi a mudança de ambiente dos mineiros ao serem resgatados. O impacto com a luz será inevitável, muito embora tenham óculos de sombra no resgate e paramédicos por toda parte para prestar auxílio. Voltarão para um mundo que já conheciam e não estavam presos voluntariamente. Não queriam estar lá. Se pudessem escolher estariam fora sem passar pelo risco de morte. Ao contrário dos que estavam presos na caverna de Platão desde à infância, acorrentados, com cabeça e pés voltados para o fundo da caverna, sem ver a luz do sol e, de repente são surpreendidos por um deles que tinha se soltado e logo voltado para contar-lhes o que havia visto, a verdade, a luz verdadeira e não sombras da realidade, objetos perfeitos e não cópias da realidade, o que é e não a aparência do que é. Os outros da caverna de Platão, sabendo da verdade, não quiseram sair da caverna, optaram por ficar lá. Platão chega a dizer que se fossem forçados a sair, algo muito pior poderia acontecer, um sofrimento muito maior estavam sujeitos a passar, sendo levados na subida a cometer um homicídio, a matar quem os forçassem a subir.
Repare que se formos comparar as duas emblemáticas situações, uma imaginativa, ideal, a caverna de Platão, e a outra carregada de realidade, puro acontecimento cheio de drama e tragédia, como é o caso dos mineiros do Chile, veremos semelhanças e diferenças. Mas a relação, se não for uma boa pedida, ao menos é uma boa investida.
Os prisioneiros da caverna de Platão e os 33 mineiros refugiados no ambiente de seu trabalho há quase 70 dias. O certo é que os 33 mineiros vão experimentar a passagem como uma viagem lenta entre o refúgio da mina até a superfície. Assim como a Caverna de Platão, a subida da mina para a superfície não é nada fácil, cheio de escarpas, de riscos, de sofrimentos, de obstáculos, enfim... A mudança de ambiente trará certamente confusão e pouco discernimento das coisas, dos objetos, da natureza, das pessoas, do mundo, porém, com um tempo, a vista e a mente se adaptarão ao novo mundo. Diferentemente dos prisioneiros do mito platônico, os mineiros do Chile experimentaram o medo da morte e a angústia de perderem suas vidas, suas famílias, seu mundo fora da caverna. Ao passo que para os moradores da caverna de Platão só existia aquele mundo, o mundo da caverna. O outro mundo era apenas uma possibilidade, pois estavam acostumados com as sombras, teimando que ali estava toda a verdade.
O mais interessante no resgate dos mineiros do Chile foi a presença das novas tecnologias, celulares lá embaixo, há quase 700m, câmeras que intermedeiam as imagens da mina para fora e de fora para a mina, aparelhos de comunicação em que os técnicos conversavam o tempo todo com a pessoa no momento em que estava sendo retirada da mina dentro de uma cápsula. A comunicação audiovisual faz toda a diferença, porque ajuda a acordar a razão ou a adormecê-la, como no caso moderno de grandes e constantes dosagens, mas na medida certa, pode nos tirar da alienação que é uma caverna modernizada, para não soar anacrônico.
Pois bem, se a diferença mais plausível entre a caverna de Platão e a caverna dos mineiros do Chile é o fator sobrevivência, pois não resistiriam lá embaixo por longo tempo, devido às condições adversas, certamente essa experiência entre a vida e a morte poderá marcar a existência dessas 33 pessoas que passaram por uma forte pressão física e psicológica. A vida dessas pessoas não será mais a mesma, uma vez que a carga de pressão e tensão os fez repensar os valores, reavaliar comportamentos, renovar a visão. Que seja ao menos isso, renovar a visão, limpar a visão, ver a vida de outra maneira, já que o mundo deles não é mais aquele ou não é mais o outro que passou, mas um novo, um mundo melhor, descoberto e redescoberto a partir desta nova experiência, a partir de um confinamento cheio de conflitos, carências e no limite da sobrevivência.
Talvez sejam estes os ganhos de sair da caverna, percorrer a subida, experimentar a mudança, viver seu limite, conhecer-se um pouco mais, sobreviver, chegar ao topo e poder contar tudo isso, “o que uma nova vista nos revela”:

“Essa imagem, caro Glauco, terá de ser inteiramente aplicada ao que dissemos mais acima, comparando o que a vista nos revela com a morada da prisão e, por outro lado, a luz do fogo que ilumina o interior da prisão com a ação do sol; em seguida, se admitires que a ascensão para o alto e a sua contemplação do que lá existe representam o caminho da alma em sua ascensão ao inteligível, não te enganarás sobre o objeto de minha esperança, visto que tens vontade de te instruíres nesse assunto. E Deus sabe, sem dúvida, se ele é verdadeiro! Eis, em todo caso, como a evidência disto se me apresenta: na região do cognoscível, a ideia do Bem é a que se vê por último e a muito custo, mas que, uma vez contemplada, se apresenta ao raciocínio como sendo, em definitivo, a causa universal de toda a retidão e de toda a beleza; no mundo visível, ela é a geradora da luz e do soberano da luz, sendo ela própria soberana, no inteligível, dispensadora de verdade e inteligência; ao que eu acrescentaria ser necessário vê-la se se quer reagir com sabedoria tanto na vida privada quanto na pública.”(Livro VII, A República de Platão) Prof.: Jackislandy Meira de Medeiros Silva
www.umasreflexoes.blogspot.com
www.chegadootempo.blogspot.com
www.twitter.com/filoflorania


Postagens populares

Atividade no facebook

Categorias

Deus (36) Bíblia (26) Filosofia (26) Jesus (25) Cultura (16) Teologia (16) sociologia (15) Religião (11) vida (11) Cristo (10) Educação (10) política (10) ética (10) Senhor (9) evangelho (9) (8) valores (8) Igreja (6) amor (6) florânia (6) justiça (6) oração (6) salvação (6) louvor (5) paz (5) cristão (4) esperança (4) evangelização (4) graça (4) palavra (4) Espírito (3) alegrias (3) alteridade (3) cidadania (3) culto (3) espiritualidade (3) glória (3) literatura (3) música (3) responsabilidade (3) Aristóteles (2) Lévinas (2) Moisés (2) Paulo (2) Platão (2) Pr. Silas (2) Tv (2) bom (2) comunhão (2) coração (2) criador (2) céu (2) encontro (2) felicidade (2) história (2) ideologia (2) jovens (2) mocidade (2) mundo (2) natureza (2) poder (2) político (2) rosto (2) sociedade (2) solidariedade (2) templo (2) trabalho (2) verdade (2) voz (2) Aurélio (1) Boaz (1) Chile (1) Dalila (1) Davi (1) Drummond (1) Escritura (1) Faraó (1) Habacuc (1) Haiti (1) Heidegger (1) Jaboque (1) Jacó (1) Jerusalém (1) Jonas (1) José (1) Juízes (1) Kant (1) Lutero (1) Mircea (1) Misericórdia (1) Médico (1) Nietzsche (1) Perdão (1) Record (1) Reino (1) Rute (1) Sansão (1) Trindade (1) administração (1) adorador (1) alma (1) altíssimo (1) amizades (1) anjo (1) centenário (1) cidadão (1) conversão (1) corrupção (1) crente (1) criança (1) cruz (1) cruzada (1) denominação (1) desabrigados (1) dissimulação (1) drogas (1) dízimo (1) escudo (1) exaltar (1) família (1) favor (1) fogo (1) fome (1) futebol (1) gestão (1) gratuita (1) homem (1) impunidade (1) individual (1) inteligência (1) jornalismo (1) lugar (1) luta (1) luz (1) mina (1) mineiros (1) mistério (1) mito (1) ordem (1) outro (1) participação (1) pecado (1) pedofilia (1) pedra liza (1) perseverança (1) presença (1) promessa (1) próximo (1) pão (1) quebrantado (1) razão (1) reflexão (1) rios (1) salmo (1) salvador (1) saúde (1) ser (1) serenidade (1) sexo (1) sim (1) subjetividade (1) sucos (1) uvas (1) vaidade (1) violência (1) vitória (1) água (1)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ao mencionar qualquer material deste blog, favor citar o autor Jackislandy Meira de Medeiros Silva. Tecnologia do Blogger.