Gratuita porque é dom de Deus com a possibilidade dada a cada um de salvação, de conhecimento mútuo entre Deus e o homem. Inesperada porque não se enquadra à categoria de “justiça” por parte do homem, mas a da “justificação” em Cristo como Mistério, como doação por todos, pois a graça foge da previsibilidade humana, limitada e racional, de fato, a graça contradiz a razão, mas não a desconsidera. É incompreensível devido ao amor ser transcendente, capaz de ultrapassar qualquer ato limite do homem, que não pode esgotar o mistério. Aqui entra a categoria “equivocidade”.

Pontos chaves da Teologia da Graça no Antigo Testamento:
bêrit – aliança (pacto entre iguais)
Promessa – doação
Misericórdia – A doação diante do pecado do homem. Deus age livremente em relação ao homem que implica numa relação interpessoal.
Perdão – Denuncia-se uma lógica de comportamento
Ex 34.6: Javé, Deus clemente e misericordioso, generoso, grande na benevolência e na fidelidade.

A doutrina paulina da Graça:
A Teologia paulina é toda permeada pela experiência soteriológica. Paulo tem uma experiência vocaional na graça de Deus, que lhe torna visível a salvação(Gl 5.5) – Conversão(Rm 3.24). A redenção, o mistério de Cristo é o ponto chave do anúncio de Paulo como escândalo para os judeus e loucura para os pagãos quando fala aos Coríntios. O evento Cristo é sinal também de CONVERSÃO.

O Antigo Testamento e a perspectiva escatológica da Graça:
A Escatologia não é vista com sentido apenas de futuro, mas de participação e de esperança para todos, e não só para um povo. Escatologia está relacionada com pneuma em João. É o Espírito da verdade revelada que se manifesta aos nossos incrédulos. O Espírito envolve toda a obra da salvação, de Adão passando por Abraão, Cristo e até hoje... A vida em Cristo como Filho de Deus não herdado do trono de Davi, mas como reflexo da vontade do Pai, é a possibilidade ou o canal da experiência sempre nova em Deus. Deus aqui não é o da ternura de uma mãe como no AT, mas é o da Misericórdia e o da novidade do Evento Cristo capaz de salvar a todos permanentemente, para sempre. Por isso, a esperança e a participação assídua no Mistério de Cristo é fonte inesgotável de graça e salvação. O caráter universal da graça supera o nomos(lei).

Prof. Jackislandy Meira de M. Silva.


Qual foi a contribuição da “Nouvelle Theologie” nos anos 40?

A “Nouvelle Theologie” trata exatamente do binômio graça e natureza, retomando o amplo sentido de debate sobre os dois planos na perspectiva de que a Natureza(todo o ser) é originária e vocacionada à graça como dom divino. E apesar do valor “ecumênico que procuram dar a esses dois planos de debate, a graça continua consistente emades seus aspectos ou características fundamentais: individual, gratuita e não empírica.

Em que sentido os anos 70 contribuíram para uma mudança de perspectiva no panorama teológico da graça?

Os anos setenta se evidenciam na história como sendo a época da crítica religiosa, do secularismo e das relações sociais em muitos ou diversos ambientes culturais. Toda essa gama de extremismos conceituais fizeram com que a Teologia da graça tomasse um rumo cada vez mais antropológico.

Uma perspectiva psicológica da graça de Deus:

Esta afirma que a graça é o marco da vida psíquica do homem. Utiliza-se de categorias psicológicas, concretas e sensíveis para elaborar a relação fundamental entre Deus e homem na história da salvação. Termos como graça, liberdade, justiça e salvação vão perpassar por todas as necessidades do entendimento humano. Desde a liberdade perdida em Adão e reconquistada com Cristo que a Natureza decai diante das exigências de Deus. A liberdade, a justiça e a justificação, em relação as atitudes ou comportamentos do homem na Sagrada Escritura são uma sequência lógica da percepção e da reação da Natureza no encontro com a graça. A natureza da graça se manifesta na natureza mesma do homem. Agostinho de Hipona trabalha muito bem este aspecto da graça na intimidade do ser humano. E Tomás de Aquino conduz a relação de “Natura” e graça, tomando como pano de fundo o aspecto da subsistência/sustentação ou substrato(categorias aristotélicas) da Natureza à própria graça. A graça é pois a sustentação do “ser” com todos os seus estímulos racionais; vontade – inteligência – liberdade. Não se deve reduzir esta perspectiva em relação às outras que são as considerações metafísicas e personalistas em torno do dom divino, pois, acima de qualquer consideração, está o mistério de Deus. O homem é sempre iluminado, atraído e recriado por esse dom divino maravilhoso.

Prof.: Jackislandy Meira de Medeiros Silva.


Postagens populares

Atividade no facebook

Categorias

Deus (36) Bíblia (26) Filosofia (26) Jesus (25) Cultura (16) Teologia (16) sociologia (15) Religião (11) vida (11) Cristo (10) Educação (10) política (10) ética (10) Senhor (9) evangelho (9) (8) valores (8) Igreja (6) amor (6) florânia (6) justiça (6) oração (6) salvação (6) louvor (5) paz (5) cristão (4) esperança (4) evangelização (4) graça (4) palavra (4) Espírito (3) alegrias (3) alteridade (3) cidadania (3) culto (3) espiritualidade (3) glória (3) literatura (3) música (3) responsabilidade (3) Aristóteles (2) Lévinas (2) Moisés (2) Paulo (2) Platão (2) Pr. Silas (2) Tv (2) bom (2) comunhão (2) coração (2) criador (2) céu (2) encontro (2) felicidade (2) história (2) ideologia (2) jovens (2) mocidade (2) mundo (2) natureza (2) poder (2) político (2) rosto (2) sociedade (2) solidariedade (2) templo (2) trabalho (2) verdade (2) voz (2) Aurélio (1) Boaz (1) Chile (1) Dalila (1) Davi (1) Drummond (1) Escritura (1) Faraó (1) Habacuc (1) Haiti (1) Heidegger (1) Jaboque (1) Jacó (1) Jerusalém (1) Jonas (1) José (1) Juízes (1) Kant (1) Lutero (1) Mircea (1) Misericórdia (1) Médico (1) Nietzsche (1) Perdão (1) Record (1) Reino (1) Rute (1) Sansão (1) Trindade (1) administração (1) adorador (1) alma (1) altíssimo (1) amizades (1) anjo (1) centenário (1) cidadão (1) conversão (1) corrupção (1) crente (1) criança (1) cruz (1) cruzada (1) denominação (1) desabrigados (1) dissimulação (1) drogas (1) dízimo (1) escudo (1) exaltar (1) família (1) favor (1) fogo (1) fome (1) futebol (1) gestão (1) gratuita (1) homem (1) impunidade (1) individual (1) inteligência (1) jornalismo (1) lugar (1) luta (1) luz (1) mina (1) mineiros (1) mistério (1) mito (1) ordem (1) outro (1) participação (1) pecado (1) pedofilia (1) pedra liza (1) perseverança (1) presença (1) promessa (1) próximo (1) pão (1) quebrantado (1) razão (1) reflexão (1) rios (1) salmo (1) salvador (1) saúde (1) ser (1) serenidade (1) sexo (1) sim (1) subjetividade (1) sucos (1) uvas (1) vaidade (1) violência (1) vitória (1) água (1)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ao mencionar qualquer material deste blog, favor citar o autor Jackislandy Meira de Medeiros Silva. Tecnologia do Blogger.